Piatã FM 94,3 - A Rádio da Gente

CLIQUE E OUÇA Agora na Piatã FM - P Notícias

Entretenimento   08 de Novembro de 2018 - Publicado às 10:02

Filme sobre Chacrinha estreia nesta quinta-feira com curiosidades sobre o apresentador

Morto em 1988, Chacrinha alegrou as tardes de sábado de diferentes gerações durante décadas e acumulou eventos inusitados e hilários ao longo da carreira.

Uma cueca não era suficiente. José Abelardo Barbosa costumava usar várias antes de encarnar o irreverente e divertido Chacrinha em seu programa de calouros. Sim, um dos maiores apresentadores que o país já teve, mestre do improviso, sempre ficava muito nervoso antes de entrar no palco e morria de medo de ter uma dor de barriga e pagar mico ao vivo. "Chacrinha - Velho Guerreiro", de Andrucha Waddington, que estreia nesta quinta-feira nos cinemas, mostra essas e outras curiosidades do artista.

Intérprete da fase já consagrada do apresentador, Stepan Nercessian conta que o temor não durava muito tempo:


— Uma vez que ele entrava no palco, assumia a persona do Chacrinha e dava um show. Mas, sim, ele tinha um problema crônico de dor de barriga, vivia tomando remédios.

A corujice com Elke Maravilha (interpretada por Gianne Albertoni) e as chacretes (entre elas, Rita Cadillac, que no filme é vivida por Karen Junqueira) também é mostrada no longa.

Para Elke, que o acompanhou durante quase toda sua carreira na TV, ele chegou a comprar um apartamento, como empréstimo, que nunca foi pago. No filme, Chacrinha aparece como um verdadeiro guardião das moças.

— Nas caravanas que promovia pelo país, ele fazia questão de dormir no mesmo andar das chacretes, para que não fossem assediadas. Conservador, não permitia que homens se aproximassem de suas funcionárias, muito menos os três filhos, com quem trabalhava. Até roupa ele providenciava para elas — conta Stepan: — Era um cara sério, apaixonado pelo que fazia, tirava dinheiro do bolso para comprar coisas para o programa.

Nem um tumor no pulmão esquerdo, causado pelo tabagismo, freiou o apresentador, que era viciado em trabalho. Ele chegou a ser desenganado pelos médicos. Mas, após a retirada do órgão, ele voltou ao comando do programa cinco meses depois.

Morto em 1988, Chacrinha alegrou as tardes de sábado de diferentes gerações durante décadas e acumulou eventos inusitados e hilários ao longo da carreira.

Quem tem mais de 40 anos deve se lembrar das Casas da Banha, rede de supermercados que era patrocinadora do programa do Chacrinha. Pois o bordão "Quem quer bacalhau?" surgiu depois que a empresa comprou uma grande quantidade de bacalhau e não conseguiu vender quase nada. O apresentador, então, deu a ideia de atirar o peixe na plateia para anunciar o produto, e em dois dias foi tudo vendido.

— Uma criança ou um gringo que nunca ouviu falar de Chacrinha vai se divertir vendo essa biografia, porque tem muita história interessante. É o filme perfeito para ir com a família, fazer as pazes com aquele parente ou com aquele amigo com quem você brigou por causa de eleição e política — brinca Eduardo Sterblitch, que interpreta Chacrinha mais novo: — Um bom momento para sair das redes sociais, pegar um cineminha, conversar olho no olho. Como dizia o Velho Guerreiro, quem não se comunica se trumbica, e essa mensagem vale para os dias de hoje.



Fonte: Extra / Foto: Divulgação


VEJA TAMBÉM

ÁUDIOSEspecial Piatã FM - ImaginaSamba