Piatã FM 94,3 - A Rádio da Gente

CLIQUE E OUÇA Agora na Piatã FM - Buxixo

Entretenimento   24 de Agosto de 2017 - Publicado às 02:18

Após campanha que teve adesão de Ivete Sangalo, menino com doença rara no coração passa por cirurgia

Mãe de garoto disse ter arrecadado R$ 60 mil e que ele passa bem após procedimento.

O menino Ricardo Castro Cylindro, de três anos, que lutava para conseguir fazer uma cirurgia para tratar a doença rara que tem no coração, conseguiu fazer o procedimento na segunda-feira (21), em um hospital em São Paulo. A mãe dele, Mariana Castro Cylindro, de 36 anos, tinha iniciado em junho uma campanha nas redes sociais chamada "Ajude Ricardinho" para pagar a operação e contou com adesão de artistas como Ivete Sangalo.

Mariana contou ao G1 nesta terça-feira (23) que a operação foi paga com o valor de R$ 60 mil arrecadado com a campanha. Inicialmente, a intenção era angariar R$ 100 mil, mas a equipe médica do Hospital Beneficência Portuguesa, de São Paulo, aceitou fazer por menos, segundo a mãe. O dinheiro foi garantido por meio de doações e eventos promovidos pela família.

A criança segue internada depois do procedimento, que é a terceira e última cirurgia que ele já passou. "Ele está bem. Está na UTI do hospital e ainda não tem previsão de alta. É a última cirurgia, mas ele vai ter que ser acompanhado o resto da vida. (Depois da cirurgia) ele vai estar melhor, a oxigenação vai estar melhor", diz a mãe.

Doença
Segundo a cardiopediatra Zilma Verçosa, a doença é rara. Segundo a especialista, a pessoa que nasce com esse problema precisa de um acompanhamento médico e muitos terão de usar medicamento por toda vida.

"As crianças que nascem com esse problema passam geralmente por três cirurgias na vida, e todas são paliativas porque não conseguem resolver por completo o problema. No entanto, a criança pode se desenvolver e viver bem. É preciso um acompanhamento durante toda a vida. Esse acompanhamento depende de cada paciente", destacou.

A especialista também afirmou que quem nasce com a doença fica impossibilitado de fazer exercícios físicos de alta performance. "Impede a pessoa de ser um atleta, por exemplo. Mas ela pode fazer caminhadas e exercícios mais leves", pontuou.


Fonte: G1 / Foto: Arquivo pessoal


VEJA TAMBÉM

ÁUDIOSEspecial Piatã FM - ImaginaSamba